8 de dez de 2010

AS ROUPAS ANTES DA VINDA DA REALEZA


ESCRAVAS
A roupa era composta por panos amarrados no corpo ou sutilmente costurados, que sofriam modificações por causa do trabalho. Uma lavadeira, por exemplo, puxava a saia para cima para não molhá-la na beira do rio, criando um modelo mais curto. Como os afazeres das escravas exigiam esforço físico, era comum que as roupas, mal costuradas, despencassem - o que chocava os estrangeiros. "Não existia malícia por parte delas. Na tradição africana, o vestir serve para adornar e não para cobrir o corpo", explica Emília.
BRANCAS
Eram submissas e recatadas, reféns de rígidos valores católicos que condenavam a vaidade. Quando saíam de casa, na maioria das vezes para ir à igreja, usavam mantilhas grossas sobre os longos vestidos. Dentro de casa, eram bastante relaxadas: deixavam os cabelos soltos e vestiam camisolões leves, que não se prendiam ao corpo.
A TRANSFORMAÇÃO
Com a chegada da corte e a abertura dos portos, em 1808, as brasileiras foram apresentadas à moda européia. O país passou a receber uma quantidade imensa de produtos do velho continente, como tecidos, leques, sapatos, jóias, chapéus, luvas, broches e bolsas. Paralelamente, a vida social ganhou novos ares com as inúmeras festas e cerimônias promovidas pela corte.
VISUAL RENOVADO - ESCRAVAS
Com a abertura dos portos, o grupo de escravas comerciantes - que já existia - ganhou força. Muitas negras passavam o dia pelas ruas, vendendo produtos. A roupa delas era a fusão de heranças africanas com o modismo europeu. Usavam objetos mágicos e amuletos sobre o corpo, para atrair dinheiro e se defender de inimigos. As roupas eram de tecidos amarrados e sobreposições à moda africana ou então saias, blusas e vestidos dados pela patroa, mas sempre de qualidade inferior. Como parte do ganho dessas escravas ficava com elas, muitas compravam jóias - que mais tarde podiam ser trocadas pela liberdade.
Já as negras que trabalhavam em casa, como domésticas, serviam como uma espécie de vitrine da condição social de seu dono. Quanto mais elegantes e adornadas fossem as escravas, mais poderoso se mostrava o senhor. Na hora de sair, vestiam-se de forma muito semelhante às brancas. Essas escravas herdavam jóias e vestidos das patroas.

BRANCAS
Tentando imitar os padrões europeus, as brasileiras compunham looks exagerados, com muitas jóias e acessórios. O desejo de se distanciar do passado colonial era tão grande que elas acabavam exagerando na dose: tornaram-se enfeitadas demais.

Um comentário:

Meu Querido Diário disse...

Você me ajudou bastante no meu trabalho de História.

Obrigado Tallita